Síndrome da plica sinovial do joelho

by , in
Foto: Ativo¹

Como já tratamos aqui no blog algumas vezes, o joelho é uma das partes do corpo mais exigidas durante a corrida e, consequentemente, uma das que mais sofrem, não à toa, está entre as principais regiões lesionadas. Hoje, vamos ver um pouco mais sobre a síndrome da plica sinovial do joelho.

A membrana sinovial reveste todo o joelho, é responsável por lubrificar a articulação e assim diminuir o atrito. Por sua vez, a plica, conhecida também como prega, é uma sobra da membrana, um resquício embrionário, que “deveria ser absorvida pelo organismo no terceiro ou quarto mês de gravidez. Ainda assim, está presente no joelho de mais de 70% das pessoas”¹.

Apesar do alto percentual, geralmente a plica sinovial permanece assintomática, em outras palavras, sem causar nenhum tipo de dano, isso porque “esse excesso da membrana pode ocorrer em três regiões da articulação do joelho: suprapatelar (acima da patela), mediopatelar (na parte medial do joelho) e infrapatelar (abaixo da patela)”². Essa sobra acima ou abaixo da patela, não traz nenhuma preocupação, porém quando essa sobra é na região medial, as chances de sofrer com a lesão são elevadas.

Possivelmente devido ao atrito com o fêmur, a membrana sinovial se inflama, fica mais espessa e apresenta o que os médicos chamam de ‘plica patológica’ e ocorre a síndrome da plica sinovial”¹, que tem como principais sintomas, dores e estalos no joelho durante a movimentação, as dores podem ser piores pela manhã e amenizadas no decorrer do dia, além de inchaço e, em casos mais severos, até mesmo limitação do movimento e a sensação de falhas do joelho ao correr ou caminhar.

O tratamento passa por bastante repouso, anti-inflamatórios, aplicação de corticosteroide, crioterapia, fisioterapia, fortalecimento dos músculos do membro inferior e em casos mais graves, pode ser feita uma artroscopia para retirada da plica. O retorno a corrida deve ser feito de forma gradativa, acompanhado de um profissional e após melhora da lesão.

Assim como em outras lesões, a prevenção nada mais é do que a dosagem da intensidade e quantidade de treinos, uso de tênis adequados para a corrida, fortalecimento muscular e aquecimento antes das atividades.

Como podemos ver, os sintomas são bem parecidos com o de muitas outras lesões do joelho, mas tratamento e recuperação, são diferentes, justamente por isso, a consulta com um ortopedista se torna indispensável para exames adequados e diagnósticos precisos.

__________________________
Referências:

1 - https://www.ativo.com/por-que-doi/sindrome-da-plica-sinovial/

A corrida transformando vidas

by , in
Foto: Arquivo pessoal do Paulo Sakanaka*

"- Força! Respira! Já tá chegando!"

Ana Garcez grita para um grupo de quatro policiais militares na pista de atletismo do Conjunto Desportivo Constâncio Vaz Guimarães, em São Paulo. Ela está treinando o grupo para a corrida de São Silvestre. Será a primeira corrida destes policiais.

Ana Luiza Garcez é uma das figuras mais emblemáticas das corridas de rua no Brasil e tem uma estória peculiar. Conhecida pelo apelido de "Animal", foi abandonada pela mãe ao nascer, em um caixa de sapatos. Foi levada para a Febem e morou lá até os 18 anos. Depois que atingiu a maioridade, foi encaminhada pela instituição para trabalhar como doméstica em uma casa na zona norte de São Paulo. Trabalhou por 5 meses sem receber salário. No sexto mês, aproveitando que a patroa tinha ido viajar, encheu 3 malas com roupas, joias, sapatos, comida da patroa e fugiu. Foi parar no centro de São Paulo, distribuiu tudo que tinha nas malas com os moradores de rua e ficou por lá. Morou nas ruas por quase 20 anos.

Durante este tempo, usou drogas, roubou, sofreu tentativas de estupro, bebeu e quase morreu muitas vezes. Diz ter usado cocaína, maconha, heroína, além cheirar cola e praticar diversos furtos nas lojas da região central. Aliás, vivia correndo da polícia. Segundo ela, foi fugindo da polícia que aprendeu a correr. A história de sua vida podia ter terminado ali: com um tiro, numa overdose ou simplesmente, abandonada.

Certo dia, passando em frente a uma loja de departamento, assistiu a uma cena do filme "Carruagens de fogo". A partir daquele momento, sentiu que correr era uma coisa que ela gostaria de fazer. Comentou seu desejo a um grupo de amigos da rua e um deles, em tom de deboche, desafiou-a a correr a Maratona de São Paulo, que ocorreria em poucos dias. Ela topou o desafio. Assim, aos 36 anos, sem preparo ou equipamento adequado (usou roupas e tênis furtados), ela terminou a maratona, segundo ela, "sabe lá Deus como". E nunca mais parou.

Em 1998, ao fazer alguns exames para ver se estava com AIDS, os médicos descobriram que ela tinha uma capacidade alta de absorção de oxigênio. Com este diagnóstico de "corredora em potencial", correu algumas provas por conta própria e, após aparecer em um programa do Gugu, no SBT, sobre moradores de rua, revelou seu desejo de ser corredora. O então secretário de esportes de São Paulo, Fausto Camunha, que assistia ao programa, pediu que seus assessores a encontrassem para lhe oferecer ajuda. Convidou-a a morar no Centro Olímpico da prefeitura e ofereceu toda a estrutura para ela poder treinar adequadamente, com nutricionista, dentista, assistência social e fisioterapeuta. Daí, para os resultados começarem a aparecer, foi só um pulo.

"Animal" é recordista brasileira na categoria máster (a partir de 40 anos) nos 800, 1 500 e 5 000 metros. Foi campeã de sua categoria na São Silvestre de 2003 e vice-campeã geral da Meia Maratona de Buenos Aires (Argentina) em 2004, com tempo de 1h22. Também foi campeã geral na Meia Maratona de Santiago, no Chile, em 2006. Foi vice-campeã máster na Meia Maratona da Disney em 2007 e já correu provas na África do Sul, em várias cidades nos EUA e em outros lugares do mundo. Mesmo aos 55 anos, ela continua correndo em alto nível, ganhando várias corridas em sua categoria e chegando entre as primeiras colocadas no geral.

Recentemente, ela foi campeã duas vezes no Gay Games de Paris, o maior evento esportivo LGBT do mundo. Ganhou a medalha de ouro do Brasil nos 10K, com um tempo de 40min57 e também nos 5K, com um tempo de 20m16.

Ironicamente, a ex-moradora de rua, que fugia da polícia, hoje corre atrás deles, dando as ordens, na pista de atletismo:

"- Levanta estes braços! Corrige esta postura! Não desiste!"

A corrida deu um sentido à vida de Ana Garcez e corrigiu um rumo errante que, certamente, não terminaria bem. Hoje, ela ainda luta por um lugar digno para morar, pois está correndo o risco de ser despejada do quarto que mora há 18 anos, embaixo da arquibancada do ginásio do Ibirapuera, com o plano de privatização do complexo, prometido pelo governo paulista. De qualquer forma, a história de sua vida é inspiradora e mostra o quanto o esporte pode transformar positivamente a vida de uma pessoa. 

Por Paulo Sakanaka
*A foto foi tirada por Paulo Sakanaka no evento "Pão de Açúcar Kids", de 2018

Osteopatia aliada à corrida de rua

by , in
Foto: Fisio Prevent*

No meio do esporte as lesões acabam se tornando comuns, afinal, todo atleta, profissional ou amador, já passou por algum tipo de lesão, independente de mais leve ou mais grave. Assim, procurar os tratamentos eficazes e as prevenções corretas se torna fundamental. A osteopatia é uma terapia que pode facilmente ajudar os atletas nessas questões.

A osteopatia é uma técnica de terapia manual, criada em 1874, pelo médico americano Andrew Taylor Still, que busca, acima de tudo, o equilíbrio do corpo. “O tratamento busca fazer com que o corpo trabalhe em homeostase, ou seja, que seja capaz de se autoequilibrar. ‘Quando começamos a adoecer, essa capacidade de equilíbrio está desregulada por algum motivo. Assim, na sessão, buscamos encontrar e tratar a causa principal do desequilíbrio e não os sintomas’”¹, afirmou a osteopata Diane Fernandes.

Ela é geralmente utilizada em duas situações, para o tratamento de lesões e como método preventivo, uma vez que o equilíbrio corporal ajudará a evitar o surgimento de novas lesões ou até mesmo o agravamento de lesões já existentes e muitas vezes ainda não identificadas.

No caso de tratamento de lesão, “é feita uma avaliação minuciosa, com objetivo de diminuir as tensões musculares ou nos tendões; corrigir algum bloqueio articular, visceral e/ou craniano existente que possa estar causando dor. Também são realizadas correções necessárias nos captores posturais: olhos, ouvidos, boca e pés. Assim, a osteopatia otimiza o processo de cura do organismo e auxilia na melhora de suas funções”².

Já nos casos onde a osteopatia é utilizada como método preventivo, é realizado exercícios que vão melhorar os movimentos específicos do esporte. “Além disso, o especialista pode encontrar e propor soluções para fatores que tendem a gerar dores ou uma futura lesão”² e pode ainda auxiliar na identificação de outros importantes fatores, como tênis mais adequado, pisada correta, dentre outros fatores ligados à biomecânica da corrida.

A osteopatia é recomendada para qualquer pessoa, seja atleta ou não, a quantidade de sessões varia de acordo ao objetivo de cada pessoa e em casos de lesões, de acordo ao grau da lesão, as sesões duram aproximadamente 60 minutos e não existem contraindicações, apenas ressalvas que devem ser observadas pelo profissional, “por exemplo, em um paciente com osteoporose, não podemos fazer técnicas manipulativas. Em situações assim, utilizamos outras técnicas”¹.

Caso você ainda não conheça essa técnica e se interesse, busque profissionais habilitados para a função, que segundo a regulamentação do Coffito (Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional), no Brasil, a osteopatia deve realizada por fisioterapeutas que possuem pós-graduação em osteopatia.

_______________________
Referências:

Volta aos treinos

by , in
Foto: Blog Correr Para Crer*


Definitivamente começamos 2019. Essa é a primeira semana cheia do ano e para muitos, essa “primeira semana” significa volta a rotina normal, seja no trabalho, em casa ou nos treinos de corrida, sei que muitos ainda estão de férias e outros nem se quer pararam, mas para aqueles que decidiram (e puderam) dar um descanso para a mente e para o corpo, surge uma dúvida muito comum, principalmente entre os amadores, como voltar aos treinos?

Como já falamos aqui no blog, após algumas semanas sem exercícios, o corpo tende a perder performance, gradativamente, principalmente após a quarta semana sem atividades e isso fica nítido para nós corredores, exatamente na hora que voltamos aos treinos, quando temos aquela sensação que falta perna e pulmão.

Essa sensação não é à toa, pois “a primeira coisa que o corredor perde quando está há um tempo parado é a condição orgânica básica, que é o desempenho do coração e do pulmão”¹. A flexibilidade é outra funcionalidade que perdemos com certa rapidez e justamente por isso a volta aos treinos precisa ser feita de forma gradativa, esquecendo completamente o ritmo anterior a pausa e focando exclusivamente na recuperação dessas capacidades, que podem durar algumas semanas, a depender do lastro fisiológico de cada atleta.

Geralmente, nesse período do ano os professores costumam fazer o treinamento de base, fase onde de “forma geral, os atletas não são exigidos em sua performance. Porém, o condicionamento, alinhado ao fortalecimento e preparo articular e muscular é bastante utilizado. No trabalho de base rolam sessões de circuito, funcionais e corridas em locais e inclinações diferenciadas”², o objetivo aqui, é justamente preparar os atletas para as corridas durante todo o ano.

Aproveite esse período do ano também para fazer um check-up e garantir que tudo esteja em perfeita ordem para encarar mais um ano recheado de treinos e corridas, veja aqui alguns exames fundamentais.

A volta gradativa aos treinos, seja através dos treinamentos de base ou não, são fundamentais para recuperar todas as funções do organismo e também reduzir os riscos de lesões. Procure um profissional para auxiliá-lo nos treinos, garantindo assim uma volta mais rápida e segura ao ritmo natural de corrida.

Bons treinos e boas corridas em 2019.

__________________________
Referências:

*Foto: https://correrparacrer.wordpress.com/2011/11/15/quando-a-parada-nao-e-obrigatoria/
https://corridanossadodiaadia.blogspot.com/2017/06/destreino.html
1 - http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/noticia/2012/07/conheca-os-segredos-para-retornar-aos-treinos-de-corrida-apos-ferias.html
2 - https://www.ativo.com/experts/prepare-se-para-o-trabalho-de-base/

Instagram