quinta-feira, 28 de abril de 2016

Síndrome da banda iliotibial

Foto: Clínica Deckers¹

Nas últimas duas semanas falei um pouco sobre duas das três lesões mais frequentes em corredores, a canelite e a fascite plantar. Nesta semana, venho falar um pouco da terceira lesão e talvez a mais comum no mundo da corrida, a síndrome da banda iliotibial.

A banda iliotibial, também conhecida como trato iliotibial, é um músculo que começa no quadril, atravessa toda a parte lateral da coxa e do joelho e se insere na tíbia. Na altura do joelho, a banda iliotibial entra em atrito com a parte óssea do fêmur (osso da coxa), chamada epicôndilo lateral, esse atrito, junto com a sobrecarga, podem provocar a inflamação do músculo, ocasionando assim a síndrome da banda iliotibial.

O principal sintoma da lesão é dor forte na lateral externa do joelho, que costuma aparecer durante a corrida e pode piorar em subidos ou descidas, devido ao maior esforço. Geralmente as dores são sentidas no mesmo momento em todas, ou maioria das corridas, no mesmo quilômetro ou mesmo tipo de esforço, por exemplo.

A lesão geralmente é causada pelo movimento repetitivo e excesso de esforço, que acaba intensificando o atrito da banda iliotibial com o epicôndilo lateral, porém existem alguns fatores de risco, os quais podem facilitar o desenvolvimento da lesão:

  • Descer ladeiras, devido ao grande esforço necessário para estabilizar o joelho; 
  • Subir ladeiras; 
  • Aumentar rapidamente a intensidade do treino; 
  • Uso de tênis inadequados. 

Apesar de ser uma lesão muito comum, são raros os casos que requerem cirurgia. De toda forma, o acompanhamento com o ortopedista é essencial, para o devido diagnostico e tratamento, que normalmente são feitos através de anti-inflamatório, analgésico, compressa de gelo e fisioterapia, que buscará, além do tratamento de fortalecimento da região, identificar e corrigir possíveis falhas na postura e nos movimentos durante a corrida.

A prevenção é parte importante de todo e qualquer exercício físico, e sem dúvidas é a melhor maneira de evitarmos imprevistos e lesões. As prevenções indicadas para evitar a sindrome da banda iliotibial são:

  • Fortalecimento muscular - abdômen, lombar e principalmente os membros inferiores; 
  • Alongamento e aquecimento antes da prática dos exercícios; 
  • Usar tênis adequado para a corrida e para o tipo de pisada; 
  • Aumentar a intensidade e carga dos treinos gradualmente e preferencialmente com um acompanhamento profissional; 

Maior ou menor, lesão é sempre lesão e todas devem ser devidamente acompanhadas e tratadas por profissionais qualificados, caso contrário, podem se tornar casos mais sérias, levando muitas vezes o atleta a ficar meses em repouso absoluto e incapacitado de realizar até as atividades comuns do dia a dia.

O que temos que ter em mente, é que muitas vezes o repouso de uns dias para tratar ou evitar o agravamento de uma possível lesão, é muito melhor do que esperar que o pior aconteça, fazendo assim com que o repouso “forçado” se torne ainda maior.

___________________________________________________________
Referências:

1 - http://www.clinicadeckers.com.br/html/orientacoes/ortopedia/067_sin_banda_iliotibial.html
https://o2porminuto.ativo.com/corrida-de-rua/saude/dores-no-joelho-sindrome-do-atrito-da-banda-iliotibial/
http://aumentesuasaude.com/dor-na-lateral-do-joelho-sindrome-do-trato-ou-banda-iliotibial/
http://www.optimafisioterapia.com.br/artigos/9-blog/38-sindrome-da-banda-iliotibial-trato-iliotibial


quarta-feira, 20 de abril de 2016

Fascite plantar


Na semana passada falei um pouco sobre a canelite, suas prováveis causas, prevenção e tratamento. Hoje venho falar um pouco, atendendo a pedidos, sobre a fascite plantar, outra lesão que também está entre as três lesões mais comum entre os corredores. 

A fáscia plantar é um tecido conjuntivo localizado na sola do pé, que liga o calcâneo (osso do calcanhar) aos dedos. Ela tem o poder de absorver o impacto e proteger todos os 26 ossos do pé. Ao sofrer esforço excessivo, a região pode inflamar, causando assim a fascite plantar.

A fascite plantar, é uma das lesões mais comuns no mundo esportivo e afeta cerca de 10% da população. A sua principal causa é a sobrecarga da fáscia plantar, isso acontece principalmente ao correr longas distâncias ou por um tempo muito longo, especialmente em terrenos irregulares. Porém, existem ainda outros fatores de risco que entram na lista de principais causadores da lesão:

  • Pronação ou supinação excessiva; 
  • Pé muito cavo ou pé muito chato; 
  • Sobrepeso; 
  • Aumento da amplitude das passadas durante a corrida; 
  • Entortar a pisada ou andar na ponta dos pés; 
  • Utilizar calçados inadequados. 

Se você costuma sentir dores na sola do pé e calcanhar nos primeiros passos pela manhã, durante e após a realização de atividades físicas, é bom ficar atento, esses, juntamente dores na apalpação e rigidez excessiva na sola do pé, são alguns dos sintomas da fascite plantar.

Como em todos os casos de lesões, o mais indicado, sempre, é buscar o acompanhamento médico, para diagnóstico correto e devido tratamento. Em casos mais graves pode ser indica a cirurgia ou injeções de corticosteroides, porém, na maioria dos casos o tratamento é realizado através de:

  • Fisioterapia analgésica e anti-inflamatória; 
  • Medicamentos; 
  • Massagens; 
  • Palmilhas para redução de impacto; 
  • Readequação de calçados. 

Alguns exercícios, como alongamento da panturrilha, dos pés e rolar o pé sobre uma garrafa com água congelada, podem ajudar a aliviar as dores.

fascite plantar dor alongamento
Puxar a ponta do pé com a mão (A), pressionando contra a parede (B) ou com uma toalha (C), por 30 segundos.¹
fascite plantar dor alongamento massagem
  • Congelar uma garrafa de água, pisar em cima e rolar o pé sobre ela. Fazer isso por 1 minuto, repetindo 3 vezes.¹

O melhor, é sempre buscar maneiras de evitar o surgimento das lesões, desta forma, algumas medidas podem ser tomadas para evitar a inflamação do local e consequentemente o surgimento da fascite plantar:

  • Evitar o sobrepeso; 
  • Realizar aquecimento; 
  • Utilizar tênis adequados para a corrida e pisada; 
  • Realizar exercício de fortalecimento dos músculos inferiores. 

São incontestáveis os benefícios que a corrida traz para o corpo e a mente, no entanto corra muito e sempre que puder, apenas fique atento a todos os sinais que o corpo nos manda, a prevenção ainda é a melhor forma de evitar qualquer inconveniente.

________________________________________________________
Referências:

1 - http://www.pessemdor.com.br/dores/diagnostico-de-dores/fascite-plantar/
https://o2porminuto.ativo.com/corrida-de-rua/por-que-doi/fascite-plantar/
http://saude.umcomo.com.br/articulo/quais-sao-as-causas-da-fascite-plantar-11190.html
http://www.minhavida.com.br/saude/temas/fascite-plantar
http://melhorcomsaude.com/como-aliviar-fascite-plantar/

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Canelite




Ultimamente tenho visto muitas pessoas “reclamarem” de dores na tíbia (canela), o que pode ser apenas um incômodo passageiro, mas também pode ser algo um pouco mais sério, como a canelite. Por esse motivo, decidi fazer uma leitura um pouco mais a fundo sobre o assunto e compartilho aqui com vocês um resumo de tudo isso.

A síndrome de estresse do medial tibial ou periostite da tíbia, ou ainda, como popularmente a conhecemos, canelite, “é uma inflamação que acomete o periósteo (membrana que envolve o osso) tibial e aparece quando a musculatura e as estruturas ao redor da tíbia não suportam a carga imposta”¹.

A canelite está entre as três lesões mais frequentes entre corredores. Porém, não chega a ser uma lesão exclusiva da corrida, ela pode acontecer em praticantes de qualquer esporte que se faça uso excessivo das pernas, como por exemplo o ciclismo, futebol, tênis, entre outros. 

Podem haver vários fatores como principais causadores da canelite. Dentre estes podemos destacar:


  • Franqueza nos músculos inferiores ou falta de aquecimento e alongamento; 
  • Pronação excessiva dos pés; 
  • Uso de tênis inadequados;
  • Carga de treino excessiva; 
  • Fatores genéticos. 

Algumas medidas e atitudes podem ajudar na prevenção da canelite e outras lesões ligadas a ela. Algumas dessas medidas parecem óbvias para os corredores, porém, muitos acabam pulando alguns desses itens, estando assim mais propícios a lesões. Por mais contraditório que pareça, o repouso também é parte importante da corrida, principalmente na recuperação do corpo e na prevenção de lesões, além disso podemos citar:

  • Utilizar tênis adequado para a corrida e para o tipo de pisada; 
  • Fortalecer dos músculos inferiores; 
  • Realizar aquecimento e alongamento antes das corridas; 
  • Aumentar a carga dos treinos gradualmente, alguns profissionais indicam que o aumento de carga e intensidade deve ser de 10% a 15% por semana; 
  • Aplicar gelo no local após o treinamento, caso sinta algum desconforto.

Dor excessiva na canela, principalmente ao toque, vermelhidão e aumento da temperatura no local, podem indicar uma lesão por canelite. Neste caso, o ideal é sempre buscar o acompanhamento médico, para que possa ser diagnosticado corretamente e assim buscar os tratamentos adequados. Geralmente, os tratamentos e recuperação da lesão, são realizados a través de:

  • Correção postural; 
  • A crioterapia e a eletroterapia, que agirão como analgésico, controle de inflamação e cicatrização da lesão; 
  • Acompanhamento fisioterapêutico, que realizará a orientação adequada; 
  • Exercícios de propriocepção.

Embora muitas pessoas achem que a canelite seja apenas uma dor e incomodo passageiro, é algo que se deve tomar muito cuidado e merece receber as devidas atenções. Se não tratada, a canelite pode se tornar uma lesão por estresse ainda mais grave, obrigando o atleta a manter repouso absoluto, tendo dificuldades até mesmo para andar.

As lesões, por mais simples que pareçam, não devem ser ignoradas e profissionais capacitados devem ser consultados sempre que necessário. As prevenções e os cuidados com a corrida devem fazer parte da rotina de todo corredor. Corremos por amor à corrida, pelo bem-estar, pela saúde, mas devemos sempre ficar atentos aos sinais do nosso corpo e nunca exceder os nossos limites. 


___________________________________________________________
Referências:

1- http://www.pessemdor.com.br/dores/diagnostico-de-dores/canelite/

https://o2porminuto.ativo.com/corrida-de-rua/saude/6-maneiras-de-prevenir-a-canelite/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Canelite

http://www.minhavida.com.br/fitness/materias/12370-voce-sabe-o-que-e-canelite

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Corrida: O antidepressivo natural



Considerada por muitos o mal do século 21, a depressão atinge cerca de 350 milhões de pessoas em todo o mundo. A depressão é uma doença silenciosa, de ordem química e psicológica, que causa um transtorno de humor muito grande, podendo ter diversos motivos como causa.

O tratamento da depressão é feito basicamente através de medicamentos, além de acompanhamentos psicoterápicos, que buscam auxiliar a pessoa na reestruturação psicológica, na compreensão do processo da depressão e na resolução de conflitos.

Já é comprovado cientificamente os benefícios da corrida tanto para a saúde como para o bem-estar das pessoas que praticam. Desta forma, a corrida surge também como forte aliado na cura ou prevenção da depressão, isso porque através da corrida, o corpo é capaz de produzir substâncias químicas como a serotonina, a dopamina e a endorfina, que agem diretamente no sistema nervoso central, melhorando o funcionamento dos neurotransmissores e garantindo a sensação de prazer e relaxamento. 

Os benefícios que a corrida traz para o corpo e a mente do ser humano são tão grandes que a Universidade Southwestern, no Texas, decidiu fazer uma pesquisa a esse respeito, onde chegou à conclusão que “praticar corrida três vezes por semana pode ser tão eficaz quanto o uso de antidepressivos. A pesquisa mostrou que pessoas que praticaram corrida durante 30 minutos em três a cinco dias por semana tiveram, após 3 meses, redução de 47% de seus sintomas depressivos”¹.

São muitos os casos de pessoas que curaram a depressão, ou tiveram os seus sintomas reduzidos devido à prática da corrida e demais atividades físicas. Isso porque a regularidade nos exercícios aumenta cada vez mais a sensação de bem-estar, que consequentemente tende a melhorar tanto a autoestima, quanto a autoconfiança. 

Devido a popularização do esporte, a corrida estimula, de certa forma, a integração entre as pessoas, seja nos treinos ou até mesmo nas corridas. Essa socialização ajuda a resolver outro grande sintoma da depressão, o isolamento. 

Por fim, podemos perceber que com todos esses benefícios que a corrida traz tanto para o corpo, quanto para a mente, ela vem se tornando cada vez mais um verdadeiro antidepressivo natural. Porém, os tratamentos e acompanhamentos médicos jamais devem ser abandonados. A corrida não deve ser encarada como única solução, mas sim como mais um aliado no combate e prevenção à depressão e seus sintomas.

________________________________________________________________
Referências:

1- http://www.bolsademulher.com/saude/corrida-pode-ser-um-antidepressivo-melhor-que-muito-remedio-entenda-razao

http://globoesporte.globo.com/atletismo/corrida-de-rua/noticia/2011/07/psicologa-da-dica-corrida-pode-servir-como-antidepressivo-natural.html

http://conarun.com.br/corrida-antidepressivo-natural/

http://www.minhavida.com.br/saude/temas/depressao

http://esportes.terra.com.br/atletismo/corrida-de-rua/medicina-do-esporte/alanis-vira-icone-do-combate-a-depressao-com-corrida,171871b0687aa310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html